15 coisas que você precisa saber antes de alugar um carro na Islândia

O mundo está descobrindo a Islândia, a terra do fogo e do gelo!

Com essa descoberta surge imediatamente a vontade de fazer uma road trip pelo país, já que se trata de uma ilha do tamanho mais ou menos da Inglaterra.

Guide to Iceland
Mapa com atrações Islândia – Crédito foto: site Guide to Iceland

Porém se engana quem pensa que essa é uma viagem como outra qualquer. Mesmo que você já tenha feito várias viagens de carro, a da Islândia precisa de um pouco mais de planejamento, além de uma boa dose de espírito aventureiro.

Isso porque é normal dirigir horas e não se deparar com nenhum vilarejo ou posto de gasolina, já que dois terços dos 320 mil habitantes do país estão concentrados na capital Reykjavík.

Nesse post vou compartilhar com vocês algumas dicas que nos ajudaram a organizar nossa viagem de carro pela Islândia, já o roteiro detalhado que fizemos você encontra aqui!

1 – SOLICITE UMA CARTEIRA DE HABILITAÇÃO INTERNACIONAL

Já alugamos carro em vários países aqui da Europa, e na grande maioria aceitam tranquilamente apenas a carteira de habilitação brasileira e nem pedem pela permissão internacional.

Porém na Islândia eles foram bem criteriosos no momento de retirada do carro e questionaram inclusive o fato de termos endereço na França já que tínhamos passaporte brasileiro.

Pra evitar um estresse maior e não inviabilizar a viagem programada de carro no país, vale a pena solicitar a Permissão Internacional para Dirigir (PID), um documento fornecido pelo Detran no Brasil.

No geral é bem simples, porém os valores e prazos de recebimento podem variar de cidade para cidade.

Em São Paulo, onde o Diogo solicitou a PID em 2014, ele fez o pedido pelo site do Detran SP e recebeu o documento pelo correio em 7 dias úteis. A PID de SP custa hoje (maio/2017) R$275,77 + R$11,00 da taxa de entrega. Pode também ser solicitada  e retirada pessoalmente no Poupatempo-SP.

2 – FAÇA A RESERVA DO CARRO COM ANTECEDÊNCIA

Essa dica é importante especialmente pra quem pretende visitar a Islândia na alta temporada, que vai de junho a agosto. 

Assim como passagem aérea e hospedagem, tudo fica mais caro nessa época do ano na ilha, além disso o número de turistas aumenta drasticamente.

É verdade que há inúmeras locadoras de carro no país, porém ao reservar em cima da hora, você terá menos chance de encontrar opções de carro mais eficientes em relação à custo/performance e vai ter que pegar o que tiver disponível.

3 – ESCOLHA O MODELO CERTO DE CARRO DE ACORDO COM A ÉPOCA E ATIVIDADES QUE PRETENDE FAZER

Carro 4×4

Se você decidir fazer essa viagem entre novembro e março, quando o inverno é muito intenso na Islândia, não tem outra solução a não ser um carro 4×4, pois é preciso um carro mais robusto para essa época. Certifique-se também que as rodas sejam as mais adequadas possíveis para andar na neve.

Outra situação em que o 4×4 é imprescindível é se você quiser se aventurar pelo interior gélido e deserto do país. As estradas de acesso a essa região são chamadas de F-Roads e ficam abertas somente de 15.06 a 01/09.

IMG_7015

Somente os 4×4 são autorizados a rodar nas F-Roads! É importante saber que se resolver entrar com um carro nessas estradas que não seja 4×4, além da seguradora não cobrir nenhum dano no carro, você ainda poderá receber uma multa altíssima.

Carro 2×2

Se você for no verão, de junho a agosto e decidir rodar somente por Reykjavík e a Golden Circle, que é a rota turística mais famosa do país e próxima da capital, pode ser interessante alugar um carro com tração apenas em 2 rodas.

De qualquer forma, mesmo no verão, eu não arriscaria alugar um carro muito pequeno, por mais convidativo que o preço possa ser. Isso porque o tempo por lá é muito instável e teria receio de pegar chuva forte ou ventania num carro com pouca estabilidade.

Nossa escolha de carro

Fizemos uma pesquisa básica antes de alugar o carro, e muitos sites falavam da importância de alugar um carro mais robusto, tipo 4X4, pra suportar com mais facilidade qualquer problema na estrada.

Apesar de termos feito a viagem em maio, fora da temporada de inverno forte, preferimos seguir esse conselho e alugar um 4×4. Optamos então pelo modelo Skoda-Yeti (aliás, foi super econômico em combustível).

Um carro como esse nos deu um pouco mais de segurança nos dias em que enfrentamos ventanias surreais, daquelas de balançar o carro!!!

IMG_7040
Nosso carro na Islândia

No Aeroporto Internacional de Reflavík (50km da capital Reykjavík) há dezenas de locadoras de carro, tanto que há um shuttle com 4 paradas que leva os visitantes até elas. Para comparar os preços dos aluguéis de carros, nossa sugestão é o site Car Hire Labs.

4 – CHAME OS AMIGOS PARA ESSA VIAGEM

O preço do aluguel de carro, como tudo na Islândia, é bem caro, por isso fazer essa viagem em 4 ou 5 pessoas ajuda a diluir os custos da viagem – além de ser bem mais divertido!

IMG_7016

5 – FIQUE ATENTO A COBERTURA DO SEGURO 

Nossa reserva foi feita pela internet com a empresa Alamo, que já incluía o seguro básico contra furto, danos e terceiros. Não fizemos um seguro adicional contra riscos e amassados por cascalhos, pois o seguro do nosso cartão de crédito aqui na França já tem essa cobertura.

Se você não tiver esse seguro, vale a pena incluir na reserva, pois as tempestades e ventanias são muito comuns no país!

IMG_6208

As empresas também oferecem seguro contra tempestades de areia e cinzas de vulcão! Nós resolvemos arriscar e contar com a sorte, deu tudo certo…mas é um risco!

6 – NÃO CONTE COM A SORTE E SIM COM GPS E/OU INTERNET 

Apesar da estrada N1 ser razoavelmente bem sinalizada, não dá pra imaginar viajar pela Islândia sem GPS ou algo do tipo, por isso, se o carro não vier com GPS é importante incluí-lo na reserva.

Outra opção é alugar na locadora um aparelho de Wi-fi para o carro, assim você consegue utilizar o App Waze na estrada.

Caso a locadora onde vá alugar o carro não tenha esse aparelho de wi-fi disponível, outra opção é comprar um chip numa operadora de telefone islandesa, como a Síminn, que oferece chips a partir de 20 euros.

DCIM113GOPRO
Road trip na Islândia

Como nosso plano de internet aqui da França tem cobertura na Islândia, apenas utilizamos o Waze. Foram super raros os momentos em que não tivemos sinal de internet na estrada e logo voltava.

Muita gente dizia ser importante ter um mapa físico, mas a gente preferiu baixar o mapa do país antes da viagem pelo aplicativo Maps.Me, que aliás, nem chegamos a utilizar!

7 – NUNCA PERCA A OPORTUNIDADE DE ABASTECER O CARRO

O grande segredo nessa viagem é antecipar suas necessidades, portanto, nunca perca a oportunidade de abastecer o carro.

O ideal é que o tanque nunca fique abaixo da metade, pois nunca se sabe a quantos km de distância você vai encontrar o próximo posto. Fazendo dessa forma, não vai ter nenhum estresse!!!

Como na maioria dos países europeus, na Islândia também não há funcionários nos postos de gasolina. É o esquema “faça você mesmo”! As bombas de combustível informam o passo a passo e o pagamento só pode ser feito com cartão de crédito (melhor viajar com mais de um cartão só pra garantir).

Vimos uma dica no blog Viaje na Viagem sobre jamais escolher a opção “Full Tank”, ou seja, completar o tanque, pois eles dizem que se a operação não for concluída por algum motivo, como falta de combustível na bomba ou expiração do prazo do procedimento, eles debitam um valor alto do cartão como caução e só estornam dias depois! A gente preferiu seguir o conselho pra não ter dor de cabeça.

8 – FIQUE ATENTO AOS RADARES DE VELOCIDADE

Como já mencionei antes, a Ring Road N1 é a principal estrada do país e tem 1.339km. Ela passa por todas as regiões, exceto o centro da Islândia, que é acessível apenas de 15.06 a 01.09 pelas estradas F-Roads.

A N1 é uma estrada bem pavimentada, no geral bem sinalizada e sem buracos – com exceção do sul onde há muito turismo. A velocidade máxima é de 90km/h e mesmo que você esteja completamente sozinho na estrada – o que vai acontecer na maior parte do tempo – tem muito radar por lá, por isso fique atento!

Essa estrada tem apenas duas faixas, uma para cada sentido, e nas pontes só dá pra ir um carro por vez, mas como tem poucos carros na estrada, achamos bem tranquilo!

9 – ESTEJA PREPARADO PSICOLOGICAMENTE PARA MUDANÇAS CLIMÁTICAS REPENTINAS

O tempo na Islândia é muito instável e é preciso estar minimamente preparado para ter que lidar com tempestades e nevascas (melhor nem pensar nas possíveis tempestades de areia e cinzas no caso de erupção de vulcões) kkk

O ideal é evitar pegar a estrada de noite, no verão escurece quase 1h da manhã e no inverno no meio da tarde.

Teve uma noite que demoramos pra pegar a estrada rumo nosso hotel e no meio do caminho o tempo mudou e nos deparamos com uma neblina muito forte, que deixou a gente bem tenso com a falta de visibilidade.

DSCN1719
Ring Road N1 no anoitecer

10 – NÃO PARE NA ESTRADA PARA TIRAR FOTOS

Em 2016 mais de 220 visitantes estrangeiros se envolveram em acidentes de trânsito na Islândia, incluindo dois fatais. A maioria deles perdeu o controle do carro e saiu da estrada, por isso, não superestime suas habilidades automobilísticas.

Além da instabilidade meteorológica, outro fator que causa acidentes nas estradas é a paisagem! rs O visual é tão incrível e tão diferente a todo momento, que muita gente para o carro no meio da estrada pra tirar foto.

DSCN1591
Estacionamos o carro na entrada de uma fazenda e aproveitamos que era um lugar bem calmo pra tirar fotos no meio da estrada, já que lá tinha uma boa visibilidade e dava pra saber de longe quando ia vir um carro! rs

Por mais que seja tentador, não se esqueça que a N1 tem apenas uma faixa em cada sentido, então não vale a pena correr o risco de causar/sofrer um acidente.

O ideal é procurar um acostamento – não tem muitos – ou utilizar as estradas secundárias e entrada de fazendas para estacionar, e aí sim sair do carro para contemplar aquela natureza deslumbrante e tirar milhões de fotos!

IMG_7075
O carro estacionado na entrada de uma fazenda

11 – NÃO FIQUE NA MÃO

Antes de pegar a estrada o ideal é baixar o App 112 Iceland e fazer check-in conforme avança na viagem. Caso tenha qualquer problema na estrada, seja com o carro ou com catástrofes naturais, as equipes de resgate do país irão te procurar.

Outra opção é acessar o site www.safetravel.is e submeter seu plano de viagem para que eles saibam por onde você vai passar, no caso de desastres naturais eles terão uma ideia de onde procurar possíveis vítimas.

IMG_7033

12 – ACOMPANHE DIARIAMENTE A SITUAÇÃO DAS ESTRADAS

E por fim, confira sempre o site road.is, que fornece informações atualizadas das estradas de todo país, inclusive quando elas fecham devido ao mau tempo ou algo do tipo.

Outra opção é ligar no 1777 ou 1778, centrais de atendimento em inglês que fornecem essas informações.

13 – NÃO SE PREOCUPE COM PEDÁGIOS…

O único pedágio pelo qual passamos foi no caminho de Reflavík para Akureyri, bem na saída do túnel Hvalfjordur. Custou 1.000 coroas islandesas, algo entorno de 10 euros.

14 – NEM COM ESTACIONAMENTOS!

Todas as atrações naturais do país tem estacionamento e são gratuitos. 

Em Akureyri, segunda maior cidade do país, os estacionamentos são livres, exceto das 10h as 16h, onde só é possível estacionar durante 2h. É preciso colocar um relógio de papel no vidro do carro, que pode ser retirado gratuitamente nas lojas dos postos de gasolina.

Já em Reykjavík, a capital do país, há diferentes zonas de estacionamento, que vão da P1 a P4. A P1 é a mais cara (cerca de 2 euros/h), pois está no miolo do centro da cidade. A P4 custa entorno de 1 euro.

Como a cidade é relativamente pequena, mesmo que você pare um pouco mais afastado do centro, não vai andar mais que 15 minutos pra chegar no centro.

15 – A MELHOR ÉPOCA DO ANO PRA FAZER UMA VOLTA À ILHA DE CARRO

É bom evitar o período de inverno mais intenso, que vai de novembro a fevereiro. Nesse período há muita neve, pouca visibilidade e muitas estradas ficam fechadas. Infelizmente essa é a melhor época pra ver aurora boreal!

Nos meses de abril e maio, quando as temperaturas já não estão mais negativas, costuma chover e ventar bastante, mas é bem viável fazer esse roteiro. Nós começamos a viagem no início de maio e de 7 dias tivemos apenas 1 com chuva e vento e outros 2  de muito vento.

DSCN1406
N1 na Islândia

Já de junho a agosto é o verão, alta temporada, quando os dias são bem mais longos, as temperaturas chegam aos 22 graus e é o período mais ideal.

É nesse período também em que as F-Roads que dão acesso ao centro gélido do país estão abertas, sendo uma oportunidade única pra visitar essa região tão inóspita.

Boa viagem 😉

Melissa

 

Anúncios

5 Comments »

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s