Sardenha e suas praias paradisíacas

Não é incrível quando um lugar te surpreende?

Eu já tinha visto algumas fotos da Sardenha e já esperava por lindas praias, mas ainda assim me surpreendi com o que vi.

Uma natureza mais selvagem, praias paradisíacas, mar de águas cristalinas e em tons de azul que eu nunca tinha visto antes!

img_4719
Capo Testa

Junte tudo isso a uma temperatura super agradável e ótima gastronomia! Já voltamos de lá saudosos..

Localizada a oeste da Itália, país a qual pertence, a ilha é enorme e sua costa toda banhada pelo mar mediterrâneo. Apesar de ouvir por lá diversos idiomas, o que mais se vê são turistas italianos!

A Sardenha está também a dois passos da Córsega, mais precisamente ao sul da ilha francesa. É uma boa oportunidade para atravessar de balsa e explorar as cidades e lindas praias da região francesa.

img_4351
Praia de Santa Giulia na Córsega

Mas a Córsega é assunto pra outro post, confira aqui!

QUANTOS DIAS NA SARDENHA?

Nossa ideia inicial era passar uma semana na Córsega, mas um casal de amigos que esteve recentemente na ilha fez um bate-volta até o norte da Sardenha e falaram super bem do que viram.

Fomos então pesquisar um pouco mais sobre a Sardenha…

Além das praias paradisíacas, descobrimos que os preços de passagem aérea, assim como hospedagem eram muito mais em conta na Sardenha do que na Córsega (custo cerca de 30% menor).

Decidimos então ficar 4 noites no norte da Sardenha e 3 noites no sul da Córsega, ambas regiões famosas pelas lindas praias.

Porém, como a Sardenha é enorme e há várias regiões interessantes pra conhecer, dá pra passar tranquilamente uma semana toda no norte da ilha.

Se você tiver mais dias disponíveis pode valer a pena conhecer o sul da ilha… O importante é eleger algumas cidades como base para explorar as diversas regiões que te interessar.

mapasardegna
Mapa Sardenha – Fonte: Portal Alitalia

QUANDO IR?

A Sardenha é basicamente uma ilha quente e com pouca chuva, mas o ideal é visitá-la no verão, quando a temperatura realmente aumenta e as águas gélidas do mediterrâneo ficam mais convidativas.

img_3662
Spiaggia Bianca

O verão vai de Junho a Agosto, porém você pode considerar conhecer a Sardenha desde a segunda quinzena de Maio até o final de Setembro, quando as temperaturas ainda são agradáveis e dá pra pegar uma praia.

Durante os meses de Julho e Agosto (principalmente Agosto) a ilha fica mais abarrotada de turistas, pois é período de férias na Europa. Portanto, nesse período você vai encontrar preços mais altos, praias mais lotadas e bastante trânsito! Não recomendo…

Fomos na primeira quinzena de setembro e achamos perfeito! A temperatura estava agradável (em torno de 30 graus durante o dia e mais amenas a noite), as praias mais tranquilas e sem trânsito nas estradas…

img_4017
Estrada sem trânsito em setembro – Costa Esmeralda

Nessa época que fomos a água já está um pouco mais fria, mas dá pra nadar tranquilamente…

COMO CHEGAR?

A Sardenha possui 3 aeroportos, dois na região norte, Alguero e Olbia e um em Cagliari, no sul da ilha.

Se você tiver poucos dias para explorar a Sardenha e conseguir uma passagem num preço bom para chegar pelo aeroporto de Olbia, vale mais a pena, pois é nessa região que fica a famosa Costa Esmeralda e o arquipélago de La Maddalena, programas imperdíveis na ilha.

Porém, se achar um preço de passagem mais convidativo para Alghero, como foi nosso caso (99 euros ida/volta Paris – Alghero), não é um problema. Do aeroporto de Alghero até Olbia são apenas 128km.

ONDE FICAR?

Como a ilha é enorme (são 24.090 km2), a sugestão é eleger quais lugares quer conhecer por lá e definir as bases de acordo com a quantidade de dias que terá disponível.

sardenha-praias-mapa-carro
Mapa com destaque para praias famosas da ilha – Fonte: Charming Sardinia

Algumas sugestões de bases interessantes:

  • Olbia ou Porto Cervo para percorrer as praias da Costa Esmeralda (Porto Cervo é mais perto das praias, porém muito mais caro. De Olbia até as praias são cerca de 25 minutos);
  • Arquipelágo de La Maddalena;
  • Santa Teresa de Gallura (norte);
  • Castelsardo;
  • Stintino (onde fica a famosa praia La Pelosa);
  • Alghero;
  • Cala Gonome (leste);
  • Cagliari (fica no sul e é a capital da Sardenha)

Nós não tínhamos muito tempo e queríamos conhecer a Costa Esmeralda, portanto, nos hospedamos 3 noites no Mercure de Olbia, que era super confortável e a apenas 25 minutos de carro das praias da Costa Esmeralda.

img_3649
Hotel Mercure – Olbia

Além disso, estávamos ao lado do simpático centro histórico de Olbia, onde saíamos para jantar (10 minutos a pé).

Na última noite nos hospedamos em Alghero, bem perto do aeroporto de lá, de onde saía nosso voo.

COMO CIRCULAR NA ILHA?

A melhor maneira de circular na ilha é de carro, sem dúvida alguma!

Até tem transporte público na ilha, mas os ônibus não vão te levar a todos os lugares e você vai acabar perdendo muito tempo.

Nós fizemos uma pesquisa pra decidir a locadora de carro, e escolhemos a que tinha o menor custo, a Sicily by Car. Reservamos um carro pequeno e econômico pela internet (Fiat 500) para 7 dias (atravessamos de balsa com o carro para a Córsega) por 130 euros. Super barato!

img_3735
Carro na Sardenha

Uma vantagem de carro pequeno é que muitas estradas por lá são estreitas e dá pra estacionar ele em qualquer buraquinho…rs

Retiramos o carro na locadora do aeroporto de Alghero e foi tudo muito prático e tranquilo, sem nenhum problema. Para rodar na ilha, usamos o Google Maps ou Waze, porque tínhamos internet.

Caso você não tenha internet, a sugestão é alugar um GPS com a locadora ou utilizar o aplicativo Maps.Me, onde é possível baixar o mapa da ilha. Clique aqui para ver o App.

NOSSAS ESCOLHAS – ROTEIRO DE 4 DIAS NA SARDENHA

DIA 1

Ao chegar no aeroporto de Alghero, retiramos o nosso carro na locadora Sicily by Car lá mesmo e atravessamos a ilha de oeste a leste até chegar a Olbia, onde ficamos hospedados por 3 noites.

Quando nos instalamos no hotel já era por volta de 16h e então decidimos ir numa praia que estava fora do circuito da Costa Esmeralda, que estava previsto para fazermos no dia seguinte.

Fomos então quase no fim da tarde para a Spiaggia Bianca, praia bonita de areia clara e águas transparentes.

Estava razoavelmente cheia e rolando um casamento numa área da praia, o que foi ótimo, porque pelo menos tinha música e o DJ era muito bom…rs

De todas as praias que fomos essa foi a menos WOW…mas ainda assim foi super válido ter ido, é bonita!

img_3730
Spiaggia Bianca do alto

A Spiaggia Bianca tem estacionamento grande e gratuito!

img_3733
Pôr do sol Sardenha

DIA 2

Acordamos bem cedo e seguimos para a Costa Esmeralda, região famosa pelas lindas praias que atrai no verão muitos ricos e famosos, mas acredite, é acessível para todos os bolsos.

img_4020
Trecho da Costa Esmeralda

Se hospedar por ali é mais caro, porém se quiser economizar você pode fazer como nós e se hospedar em Olbia.

Há diversas praias interessantes, uma ao lado da outra, mas não queríamos ficar pulando de praia em praia, até porque os estacionamentos vão ficando lotados com o passar das horas e não é uma boa estratégia tentar ficar mudando de praia a todo momento.

O preço dos estacionamentos das praias da Costa Esmeralda é padrão: 1,50€ por hora ou 7€ para ficar o dia todo.

Decidimos então ficar numa praia pela manhã e em outra na parte da tarde.

A primeira foi uma das praias mais famosas e bonitas da Sardenha, a Spiaggia del Principe.

img_3825
Spiaggia del Principe

Depois de deixar o carro no estacionamento, é precisa pegar uma trilha relativamente simples de 10 minutos pra acessar a praia.

img_3744
Trilha para chegar na Spiaggia del Principe

De longe já avistamos a cor incrível da água!

O mar é super calmo, como todas as demais praias que visitamos na Sardenha, perfeito para ir com crianças.

Para ver melhor as diferentes tonalidades de cor do mar, a sugestão é subir nas pedras laterais, o visual é lindo!

img_3779
Foto panorâmica da Spiaggia del Principe

Único ponto negativo: levamos um susto ao chegar e nos deparar com uma infinidade de ambulantes insistentes, que durante os nossos primeiros 30 minutos na praia não paravam de oferecer seus produtos. Era exaustivo…a gente repetia “Não, obrigada” umas 5 vezes até que eles mudassem de alvo, daí logo chegava outro e tudo recomeçava….

Na parte da tarde resolvemos ir para outra praia…

A ideia era ir pra Spiaggia Cappricioli, a apenas 6 minutos de carro de onde estávamos, porém lembra o que eu disse dos estacionamentos ficarem cheios? Pois é, essa praia, que dizem ser igualmente linda a Spiaggia del Principe, não conseguimos conhecer, mas fica a dica!

Fomos então para a Spiaggia del Piccolo Pevero, a 10 minutos de onde estávamos.

img_3881
Spiaggia del Picolo Pevero

A praia era menos turística, portanto sem ambulantes e com uma estrutura de aluguel de cadeiras, chuveiro e uma lanchonete.

Vou me tornar repetitiva, mas a cor do mar também era o ponto alto da praia. Paraíso!

E a transparência da água?

img_3972
Água transparente – Spiaggia del Picolo Pevero

Importante ressaltar que essa praia era extremamente calma, nós gostamos, mas não vai agradar quem prefere um agito. É bom dizer também que boa parte da faixa de areia próxima ao mar é tomada por cadeiras dos condomínios que tem ao redor da praia, o que pode dificultar se instalar ali pertinho da água na alta temporada.

img_3869
Spiaggia del Picolo Pevero

Apesar dessa praia ter uma lanchonete, a maioria das praias na Sardenha não tem estrutura de restaurantes ou barraquinhas que vendem comidas e bebidas.

O ideal mesmo é levar algo pra comer e beber numa bolsa térmica, assim você não precisa sair da praia pra procurar um restaurante. Prático e econômico!

Ao sair da praia demos uma passada em Porto Cervo, que é o principal centro da Costa Esmeralda.

img_3992
Marina de Porto Cervo

Fomos até a Igreja de Stella Maris, que nos fez lembrar da arquitetura de Gaudí e de onde se tem uma vista bonita da marina da cidade.

img_3986
Igreja de Stella Maris – Porto Cervo

Depois fomos até um famoso shopping a céu aberto com lojas de grife e alguns restaurantes, mas já aviso, não é uma boa ir depois da praia sujo de sal e areia…rs As pessoas passeiam por lá arrumadas e bem vestidas, nada de chinelinho havaianas…rs

Na estrada de volta pra Olbia tem um pontos interessantes para estacionar o carro e apreciar o visual!

img_4034
Vista panorâmica da estrada na Costa Esmeralda

Como estávamos hospedados em Olbia, jantamos no centro histórico da cidade, que é bem charmosinho.

Fomos no restaurante Dolceacqua que estava bem avaliado no Foursquare e acertamos em cheio. Conseguimos uma mesa mesmo sem reserva, porém é pequeno e reservar é mais garantido!

Comi o melhor molho pesto da vida e um tiramisu versão verão super inusitado!

DIA 3

Reservamos o dia para conhecer o arquipélago de La Maddalena, pois todo mundo dizia ser imperdível. E é mesmo!

img_4072
La Maddalena

Para chegar lá é preciso pegar um ferry no porto de Palau, que sai em vários horários todos os dias. O trajeto demora 20 minutos e utilizamos o serviço da empresa Maddalena Lines, cujo ticket pode ser comprado a bordo. Pagamos cerca de 50€ ida/volta para dois passageiros adultos e um carro pequeno.

img_4068
Travessia de ferry de Palau até La Maddalena

A ideia era conhecer alguma praia em Maddalena e também alguma outra em Caprera, ilha ligada a La Maddalena pela ponte Passo della Moneta e acessível somente de carro.

img_4078
Ponte Passo della Moneta

Como as praias de Caprera são mais inacessíveis, costumam ser mais desertas. Ficamos com vontade de conhecer duas que dizem ser as mais espetaculares de todo arquipélago: Cala Cotticio, conhecida como Tahiti e a Cala Napoletana, porém era preciso enfrentar uma trilha de cerca de 40 minutos e não estávamos no clima, queríamos algo mais simples…rs

Fomos então para a praia Cala Garibaldi, que assim como a Cala Serena, não é tão bonita quanto as praias mais inacessíveis, porém valem a pena conhecer…

img_4079
Chegada a praia Cala Garibaldi

A cada praia que conhecíamos na Sardenha, parecia que a cor do mar ia ficando cada vez mais bonita…rs

Único inconveniente: impossível comer nessa praia sem ficar rodeado por abelhas. A gente resolveu fazer um lanche e o resultado foi desastroso…rs, elas nos seguiram até o mar e a solução foi mudar de praia para comermos em paz…rs

Resolvemos então conhecer uma praia em La Maddalena, e nossa escolha foi a Cala Corsara.

img_4205
Cala Corsara em La Maddalena

Rodeada por rochedos irregulares, ela tem pequenas faixas de areia, o que dá uma sensação de “praia particular”.

Algumas pessoas preferem se instalar nas pedras, aliás, andar pelas pedras é imperdível, o visual é lindo!

É um bom lugar também pra ver o pôr-do-sol.

Fomos embora de La Maddalena com vontade de passar mais tempo por lá, pois deu pra perceber que as praias eram muito incríveis e ainda tinha muito pra explorar na ilha. Portanto, se você tiver mais tempo na Sardenha, a dica é ficar lá pelo menos duas noites, você não vai se arrepender!

Algumas praias famosas de La Maddalena: Salpatore, Monti d’Arena, Bassa Trinita, Cala Francese, Cala Lunga, Testa del Polpo e Punta Tegge.

—-

PAUSA CÓRSEGA (Depois de 3 noites na Sardenha atravessamos de ferry para a Córsega. Clique aqui pra conferir o post sobre a “Ilha da Beleza”.

O ferry sai de Santa Teresa di Gallura no norte da Sardenha e chega na cidade de Bonifácio, sul da Córsega (trajeto: 50 minutos). A empresa é a Blunavy e pagamos 130€ para fazer a travessia do carro pequeno e de dois passageiros adultos – ida/volta. 

—-

DIA 4

No retorno da Córsega passeamos durante o sétimo e último dia da viagem no extremo norte da Sardenha.

O ferry chega em Santa Teresa di Gallura e de lá fomos visitar um sítio arqueológico, o complexo Lu Brandali que guarda vestígios da época pré-nurágica (por volta de 1500 a.C.), que desapareceu totalmente com a ocupação romana.

Lá ficam torres de observação, assim como vestígios de casas e do vilarejo onde viviam.

Outro ponto da visita é a Tumba do Gigante. Os contos populares diziam que os vestígios de pedras dessa tumba era de um gigante, por causa de seu tamanho, mas na realidade se trata de uma antiga cova coletiva próximo ao vilarejo

img_4112
Tumba do Gigante – Complexo Lu Brandali

Sinceramente, não vale muito a visita! Mas se você tiver tempo e gostar de história e arqueologia vai achar interessante. O ingresso custa 2€ por pessoa e você recebe um mapa do local e um livrinho que explica mais detalhadamente a história da região.

Ao sair de lá fomos para a península de Capo Testa (apenas 3km de Santa Teresa di Gallura), que foi o lugar que nos deixou mais boquiabertos! 

img_4646
Península de Capo Testa

Quase não paramos por falta de vaga pra estacionar o carro, mas o lugar é tão lindo e imperdível, que as pessoas acabam estacionando o carro até na estrada, em qualquer lugar que não atrapalhe o trânsito.

Lembra o que falei da vantagem de estar com um carro pequeno? Pois bem, por sorte achamos uma “espécie de vaga” onde coube direitinho nosso carro! A dica é tentar chegar cedo por lá pra achar uma vaga com mais tranquilidade…

Nós caminhamos umas 2h pelas pedras…

De lá dá pra avistar a Córsega…

img_4632
Vista da Córsega a partir de Capo Testa

E a cor desse mar foi o ápice da viagem…

Uma dica é ir já com roupa de banho e descer em algum ponto as pedras pra dar um mergulho, como esse pessoal aí do vídeo!

Outro ponto lindo de Capo Testa é a praia Cala Spinosa, uma pequena faixa de areia, que é acessível somente a pé e por um caminho íngreme (na foto abaixo: faixa de areia perto do rochedo mais alto).

efc16a8f-2950-427b-b043-f4c8c16eb52c
Cala Spinosa em Capo Testa

Entre Santa Teresa di Gallura e Capo Testa você vai acabar passando por duas praias super extensas, a Rena di Ponente e a Rena di Levante, essa segunda tem fama de ser mais bonita e pode ser um local interessante também para estender a toalha.

img_4130
Praia Rena di Levante

De lá fomos para a charmosa cidade de Castelsardo (trajeto de carro: 1h20), que tem várias casinhas coloridas e um castelo no alto da colina.

O castelo foi construído no século 12 e toda sua estrutura está muito bem preservada.

Ele abriga o Museu de Cestaria Mediterrânea, que conta com poucas salas, mas é um dos museus mais importantes da Sardenha. É dedicado à tradição local e a fabricação de cestos e outros objetos da vida cotidiana. O ingresso do castelo/museu custa 4€ por pessoa. Não é imperdível, mas válido!

Do alto do castelo se tem uma vista linda da cidade e da imensidão azul do mar.

img_4161
Imensidão do mar azul – vista do Castelo de Castelsardo

Vale super a pena caminhar pelas ruelas charmosas da cidade, onde há várias lojinhas e muitos restaurantes.

Aproveitamos para provar seadas, doce típico da Sardenha que leva queijo pecorino. Lembra um pastel, mas é doce…

img_4203
Seadas – doce típico da Sardenha

De Castelsardo fomos para Alghero, onde passamos a última noite na Sardenha antes de pegar o vôo de volta pra Paris.

GASTRONOMIA

Mais alguns detalhes da gastronomia da Sardenha: eles tem uma grande variedade de pães e com certeza você vai acabar provando o Pane Carasau, pão fino e crocante servido como entrada em todos os restaurantes.

img_4294
Pane Carasau

Eles são conhecidos também pelos seus queijos de ovelha e cabra, pelo peccorino forte, o vaccino, o caprino molle e por aí vai…

img_4050
Queijos – Sardenha

O peixe é a base da alimentação na ilha, mas não deixe de também provar o Cullingionis e o Malloreddus, massas super saborosas.

img_4208
Malloreddus

Alguns vinhos famosos da ilha: Monica de Sardenha, Malvasia e Naragus de Cagliari.

Ciao!!! 🙂

Anúncios

1 Comment »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *